+55 61 3107-6828

secpgpsto@unb.br

Ao PSTO

No Dia Internacional da Mulher quero primeiro agradecer a todas as mulheres que incansavelmente lutaram e continuam lutando pela igualdade de direitos. Várias foram as mulheres que levantaram essa bandeira e merecem todo o nosso respeito e admiração, mas também aquelas que lutam diariamente para sobreviver e enfrentar as desigualdades do mercado de trabalho, mulheres quase invisíveis, mas que igualmente merecem respeito e admiração.

A situação de desigualdade está presente em todos os níveis, inclusive na ciência. No nosso Programa 65% das tituladas são mulheres, mas os homens ganham em média 5% a mais do que as mulheres (Pesquisa de Egressos da Pós-graduação ano base 2018). Esses são resultados de um curso predominantemente feminino e do mais alto nível de formação. Infelizmente, esses resultados estão alinhados com pesquisas na área que demonstram que as mulheres têm que acumular mais conhecimento científico, recursos e capital social para alcançar os mesmos níveis de produtividade na ciência dos homens (Aguinis, Ji & Jo, 2018).

Com a Pandemia, os dados veiculados na impressa mostram que as mulheres são mais afetadas que os homens pelo desemprego e por piores condições de trabalho. Conquistas podem ser perdidas nesse cenário e temos que permanecer vigilantes. Segundo relatório do Fórum Econômico Mundial, se os direitos das mulheres avançarem no ritmo atual, a igualdade de gêneros vai ocorrer apenas em 2095. Esses dados sinalizam que muito ainda temos pela frente para promover a igualdade de gênero, além de todas as outras que tanto necessitamos no mundo.

Conseguimos vários avanços no último século e devemos celebrar todos eles. Essas conquistas nos tornam mais resilientes para nos mantermos firmes na reivindicação dos nossos direitos e na busca incessante de novas conquistas. Muita coisa ainda precisa mudar e temos um longo caminho a percorrer para alcançar a igualdade de gênero. Convido a todas e todos a assumir um papel ativo e genuinamente se empenhar na busca de soluções para mudar o estado que caracteriza o cenário atual na nossa comunidade, na ciência psicológica e no mundo do trabalho. Precisamos de excelentes pesquisadores em psicometria, psicologia social e POT que ajudem a melhorar a sociedade, o trabalho e as organizações, buscando aumentar a justiça social e combater todas as formas de preconceito e discriminação.

Contamos com todas e todos nessa missão!

Juliana B. Porto

Coordenação do PG-PSTO